Sexta-feira, 2 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

“O investidor quer saber: quem pagará o ajuste?”

Para o país voltar a crescer, o Congresso deveria aprovar um ajuste fiscal e avançar em “pelo menos uma” mudança estrutural no Orçamento, diz o economista-chefe do Itaú-Unibanco e ex-diretor de Política Econômica do Banco Central Ilan Goldfajn. A mudança tem de ser estrutural, com efeito permanente, porque não há mais como acertar as contas públicas apenas com soluções emergenciais, ano a ano. O aumento da idade mínima para aposentadoria seria uma medida desse tipo. “Para sair da crise, temos de calçar os chinelos da humildade e ajustar”, afirma Goldfajn. Na visão do economista, o governo federal diagnosticou de forma equivocada os impactos da crise de 2009, usou uma receita igualmente errada para forçar a economia a crescer e agora o país paga os desacertos com a profunda crise em que mergulhamos. Apesar do cenário nebuloso, ele afirma que estrangeiros estão ansiosos por uma boa notícia que lhes dê segurança para voltar a investir no país – a queda no preço dos ativos e a dos custos no país são boas motivações iniciais, mas é preciso mais. Investidores estrangeiros e brasileiros esperam, segundo Goldfajn, que se defina qual é o tamanho do ajuste e quem vai pagar essa conta.

Época – Há cinco anos, o senhor achava que a maior ameaça ao país era a “bolha de presunção”, achar que o crescimento não exigia mais esforço. Foi o que ocorreu?
Ilan Goldfajn –
De lá para cá, algumas coisas aconteceram. Primeiro, o cenário internacional mudou. Estávamos perto da bolha de commodities, e ela estourou. Mas a situação não seria explicada só pela questão externa. Internamente, reagimos de uma forma equivocada. O diagnóstico foi que a desaceleração era sintoma da falta de vontade, de crédito, de estímulo fiscal, subsídio, e no final descobrimos que não era nada disso. Estimulamos, subsidiamos, gastamos nosso colchão fiscal, que rodava a 3% do PIB e agora está negativo em 1% . No final, não conseguimos evitar a desaceleração nem aproveitamos o período bom para fazer os ajustes que precisávamos fazer.

Época – As mudanças necessárias continuam as mesmas?
Goldfajn –
Em médio e longo prazo são as mesmas, mas adicionamos agora a agenda emergencial. Temos de evitar o rebaixamento no grau de investimento por outras agências de risco (a Standard & Poor’s tirou do Brasil em agosto o selo de bom pagador), estabilizar a dívida e mudar o deficit de 1% do PIB para um superavit de 2,5%, ou seja, um ajuste de 3,5% do PIB. Em suma, precisamos resolver o núcleo do problema, que é nossa incapacidade política de resolver nossas dificuldades fiscais. Se conseguirmos passar no Congresso o ajuste fiscal, o resto vai. O risco cai, o câmbio estabiliza, a inflação cai e a economia se recupera.

Época – Como fazer isso durante uma crise política?
Goldfajn –
Depois da presunção, agora temos de calçar os chinelos da humildade e nos convencermos de que temos de trabalhar, temos de ajustar. Se não resolvermos o problema fiscal, a economia não vai se recuperar de forma sustentável. E precisamos voltar a crescer.

Época – Há outras ameaças no cenário, além da perda do grau de investimento?
Goldfajn –
Pode haver uma piora externa, como a China desacelerando mais fortemente. Há os juros dos Estados Unidos, que em algum momento vão subir. Se isso ocorre, o câmbio se deprecia mais, a inflação sobe, os juros sobem mais e a recuperação demora mais ainda.

Época – E se vier mais algum improviso, como as pedaladas?
Goldfajn –
Todo mundo quer voltar a crescer. Não vai dar para ter ideias artificiais, que, por mágica, vão fazer a economia se recuperar. Se não resolvermos o núcleo do problema, a aceleração não virá. Mas, se resolvermos, ela poderá vir de forma mais intensa. Um ajuste de 3,5% do PIB, adicionado a uma medida estrutural, que pode ser a mudança da idade mínima de aposentadoria, nos tiraria da recessão. O problema é não haver atalhos, politicamente, para fazer essas coisas. Acho que no ano que vem o PIB será negativo e ficará parado em 2017, 2018. Se não fizermos nada, vamos ficar patinando e até piorando. Não fazer nada, não escolher, não cortar, é a pior opção. Aumentar gastos e investimentos, esperando que o retorno venha por impostos, seria uma aventura de curtíssimo prazo que apenas acelera a crise. Gastar quando não há mais dinheiro disponível pressupõe haver um financiamento abundante. Mas seu financiador, a sociedade, não está mais contente em fazer isso.

Época – Dá para manter programas sociais?
Goldfajn –
Não é necessário mexer em programas relativamente baratos, mas com impacto relevante. Mais importantes são os gastos obrigatórios de muitas áreas sociais, na Previdência, na Saúde. Se o governo cortar metade de todas as despesas discricionárias, economizamos só 1,2% do PIB. Precisamos de um ajuste de 3,5%. Se não houver mudança de regras dos benefícios, será muito difícil conseguir cortando só as despesas. Se não queremos mais impostos, então o Congresso e a sociedade têm de reagir.

Época – A CPMF seria uma boa solução?
Goldfajn –
A sociedade está dizendo não. Vejo pouco espaço político. Mas, se não for com a CPMF, o governo vai por meio de outros impostos. A sociedade paga 40% do PIB de imposto e não vê serviços que correspondam a esses 40%. O Estado poderia ser mais eficiente, sem dúvida. Vejo algum esforço nesse sentido, o que é fundamental.

Época – Pagar as pedaladas de uma vez, mesmo sem dinheiro em caixa, pode ter efeito positivo?
Goldfajn –
Sou a favor da transparência, mas não sei se vai ser bem compreendida. A forma como a decisão será entendida é: “Mas como deixaram tanto deficit para o ano seguinte?”. Então, essa transparência pode ser lida de forma negativa.

Época – Sobrou ao país algo da credibilidade construída ao longo de anos de rigor fiscal?
Goldfajn –
Este é um teste para o regime fiscal. No ano passado não conseguimos cumprir e, em vez de dizer “não consegui, mas veja como vou recuperar”, que é o espírito da responsabilidade fiscal, simplesmente baixou-se a meta. Se conseguirmos nos recuperar disso, será um passo. Se não conseguirmos e ficarmos mais alguns anos assim, a responsabilidade fiscal não terá evitado um deslize duradouro.

Época – Como reduzir a inflação, uma vez que os juros estão nas alturas e o país está em recessão?
Goldfajn –
Inflação hoje é combinação de efeito negativo e positivo. O positivo é que você tem uma política monetária que reagiu e o negativo é que a economia está fraca. Neste ano fica perto de 10%, e o natural é que ela fosse cedendo. Mas a inflação também inclui acertos com o passado. É gasolina que não foi reajustada, a tarifa de energia… a inflação resiste em cair porque o câmbio depreciou-se devido à incapacidade política de resolver as dificuldades fiscais. No dia em que for resolvido o aspecto fiscal, o câmbio se estabilizará e a inflação começará a cair.

Época – Como fazer o investidor voltar a acreditar no país?
Goldfajn –
O investimento não vai voltar enquanto os empresários que decidem não souberem quem vai pagar a conta do ajuste fiscal. Quando não se sabe se haverá mais imposto ou não, espera-se até as regras ficarem claras. Imagine que você está numa mesa, as pessoas estão consumindo, você não sabe se vai pagar a conta ou se será outro… Você não sabe o que pedir. Estive em Lima recentemente e achei que fosse enfrentar perguntas ruins. E, na verdade, perguntavam: “Me conte uma coisa boa sobre o Brasil. Eu quero acreditar. Como se resolve isso?”. Há dinheiro, há investimento. As empresas estão baratas. Se conseguirmos encaminhar nossos problemas, há investidor querendo vir.

Época – Qual notícia boa o senhor deu?
Goldfajn –
Com o câmbio a R$ 4, há setores que estão mais competitivos. Os que exportam e os que competem com importação. Há investimento voltando para esses setores. O deficit em conta-corrente, que chegou a US$ 110 bilhões, hoje está perto de US$ 50 bilhões. Outra boa notícia é que o Brasil recuperou a produtividade perdida. O custo das empresas caiu muito. Por causa do desemprego e do impacto do dólar, os salários caíram, ficaram mais baratos. Eles estavam muito acima da produtividade.

Fonte: Época, 9/11/2015

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.