Marcos Troyjo falou ao jornal russo “Vedomosti” sobre Brics: “Eu discordo completamente daqueles que buscam excluir a Rússia do grupo.”

O jornal russo “Vedomosti”, principal diário econômico da Rússia, entrevistou em Moscou o especialista do IMIL Marcos Troyjo, professor do IBMEC, no Rio de Janeiro, e diretor do BRICLab da Universidade Columbia, em Nova York. A entrevista foi publicada em página inteira e foi reproduzida no site do jornal moscovita. Troyjo falou sobre a Rússia como integrante dos Brics.

Leia

Vedomosti: Marcos Troyjo, qual a relevância do termo Bric? Ele já não estaria obsoleto? Nos últimos tempos, alguns especialistas garantem que a Rússia não deveria fazer parte do grupo.
Marcos Troyjo – Eu discordo completamente daqueles que buscam excluir a Rússia do grupo. O Bric não é um bloco econômico, nem um projeto de integração regional, nem uma organização internacional, nem uma plataforma para alcançar consenso nas relações internacionais. Também não constitui uma parte de outra organização, como a ONU ou a Organização Mundial do Comércio. O que seria o Bric? É uma categoria que permite entender a mudança de paradigma do sistema internacional. Quando falo de mudança, não falo somente de critérios econômicos. Aliás, mesmo se julgarmos por estes, não se pode excluir a Rússia do Bric, visto que, por exemplo, possui o PIB per capita mais alto entre esses quatro países. Como ignorá-la? É o maior país do mundo, sua população tem quase 150 milhões de pessoas, é uma potência nuclear, membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, é o maior produtor de petróleo do mundo. 20% dos pesquisadores do mundo são russos, visto que a Rússia gasta uma parte significativa do seu PIB em pesquisas e desenvolvimento. É claro que a Rússia é uma parte integrante do Bric.

Vedomosti – Não seria válido enquadrar outros países nessa categoria?
Troyjo – Existe um grande grupo de países em desenvolvimento, se é que ainda podemos chamá-los de países em desenvolvimento. O próprio Jim O’Neill, criador do nome do grupo, os chama de mercados de crescimento, economias em crescimento. Acredito que ele esteja certo: trata-se de países que são a maior fonte de crescimento mundial. Nesse grande grupo existem países que diferem muito entre si, no que diz respeito ao território, população, política externa, ambição e economia. Entre eles, existem os países líderes, constituídos por Brasil, Rússia, Índia e China, e há ainda outros países que também são importantes, mas esses não se equiparam com os líderes da categoria. Por exemplo, uma vez por ano acontece o fórum de consulta política dos Brics, incluindo a África do Sul aos quatro países que originaram o grupo. No Brasil, o Estado do Rio de Janeiro, até o final do ano, terá um PIB igual ao da África do Sul inteira. Mas no Brasil existem 27 Estados. Como se pode incluir a África do Sul nessa categoria? A questão é que, por motivos políticos, por exemplo, o Brasil quer se tornar membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, e, para isso, precisa do apoio dos países africanos; Por isso, pode incluir a África do Sul no fórum de consultas políticas. Mas se nos basearmos em evidências de mudanças no equilíbrio de forças do mundo, podemos considerar apenas o BRIC.

Vedomosti – Num artigo sobre as metas da economia da Rússia, Vladimir Putin escreveu que após a queda do bloco soviético a Rússia deveria se encaixar na Divisão Internacional do Trabalho, pela qual grandes centros têm se desenvolvido sem a inclusão da Rússia, ainda mais aqueles que se formaram em oposição à União Soviética. Mas o mesmo pode ser dito da China. No entanto, agora a Rússia é basicamente um país petroleiro, e a China é a principal potência industrial do mundo. Por que esses dois países tiveram destinos tão diferentes?
Troyjo – A diferença é explicada pelo fato de que no final dos anos 1970 a China desenvolveu e realizou um projeto estratégico para melhorar o bem-estar e a prosperidade. Isso foi um projeto muito bem formulado e gradual, que foi muito bem aceito pelas condições internacionais da época e as mudanças mundiais nos 30 anos seguintes. A Rússia não fez nada parecido. Como foi construído o modelo chinês? Devido ao fato de os esforços da geopolítica dos Estados Unidos serem direcionados ao comunismo, por terem interesse em derrubar o regime soviético, os norte-americanos tiveram interesse em criar uma tensão entre Moscou e Pequim. Em 1979, a China foi a nação mais favorecida em termos comerciais pelos Estados Unidos. Isso significa que os bens produzidos na China seriam tratados no mercado dos Estados Unidos como norte-americanos. Mas a China não apenas ganhou acesso ao maior mercado do mundo. Ela criou um clima de negócios muito favorável, estimulando o desenvolvimento de parcerias público-privadas (PPP) para a construção de infraestrutura pública; teve baixos índices de imposto de renda e imposto sobre os lucros das empresas; alocou ações de empresas que trabalham no continente. Graças a isso, a China começou a sugar os investimentos de empresas de manufatura do mundo inteiro, que buscavam acesso à parceria público-privada chinesa e ao mercado norte-americano. E não se pode esquecer da enorme vantagem competitiva da China, que tem uma mão de obra muito barata (que, com o tempo, é claro, se reduziu). Os chineses realizaram um modelo que chamo em meus livros de modelo da “Nação Comerciante”. Esse país disse pra si mesmo: o crescimento será resultado da exportação; o comércio será seu instrumento, com a ajuda do qual criaremos um grande excedente e obteremos recursos substanciais para o investimento interno no país. Além disso, a China teve uma folga nas questões geopolíticas. Naquele tempo, como o mundo continuava com a Guerra Fria e as oposições geopolíticas ficavam mais afiadas, os chineses disseram: “Vocês podem continuar com tudo isso sem nós, pois nós temos a nossa própria questão importante a resolver, nós estamos construindo uma gigantesca base industrial, orientada para exportação.” A Rússia agiu assim? Não. O Brasil? Não.

Vedomosti – É por que eles possuem recursos naturais?
Troyjo – Não só por isso. É uma questão da construção de um modelo, desenvolvimento de uma estratégia. As três questões mais importantes para os países do Bric: 1) se existe ou não um projeto de aumento de influência, seja política ou militar; 2) se existe ou não um projeto de aumentar o bem-estar; 3) se existe ou não um projeto de aumento de prestígio. Se implementar apenas o primeiro projeto, o chamado “Hard Power”, o que num sentido particular é bem característico da Rússia e, num maior grau, da União Soviética, o país terá problemas; são imprescindíveis os outros dois projetos. A China pelo 33.º ano consecutivo realiza um projeto estratégico de aumento da prosperidade; e ela cresce na China. Este projeto é em grande parte baseado no modelo de “nação comerciante”. Dentre os países que se utilizaram desse modelo (é claro, com algumas alterações) como fonte de crescimento, a Alemanha e o Japão após a Segunda Guerra Mundial e os Tigres Asiáticos, incluindo, é claro, a Coreia do Sul, foram os mais bem sucedidos. Já os países que buscaram alcançar seu status no sistema internacional muito por causa da influência geopolítica, como Cuba, Coreia do Norte e, em certa medida, a Rússia, estão atrasados.

Vedomosti – O que a Rússia deve fazer, considerando que o modelo de nação comerciante está perdendo seu apelo por causa da crise dos consumidores ocidentais, que vão comprar menos do que nos anos 1990 e nos anos 2000?
Marcos Troyjo – O que vou dizer agora é importante para a Rússia e para o Brasil. Você chamou a Rússia de país petroleiro; o Brasil também é, em certa medida, um país petroleiro e de biocombustíveis. Em ambos os casos, a questão é a dependência de um país de matérias-primas e recursos naturais. Isso é ruim? Não necessariamente. A questão gira em torno da maneira de utilizá-los. O modelo de crescimento moderno no Brasil sugere que sua riqueza de matéria-prima é um dos principais trampolins para o crescimento econômico, e esse modelo é necessário para mudar o DNA da sociedade econômica brasileira. Para mudar esse DNA é preciso uma vontade política, é preciso um plano, mas precisa-se de recursos. Estes são raros, mas o Brasil e a Rússia os possuem. Esses países recebem grandes lucros da venda de petróleo e podem investir esses lucros nos setores com alto valor agregado, para realizar um crescimento econômico de longo prazo. Acredito que um dos modelos que vão se formular tanto na Rússia quanto no Brasil é uma nova forma de substituição de importações. O poder de compra do Estado será usado como isca para as empresas estrangeiras, para que elas abram uma produção local. Esse cenário pode ser chamado de protecionismo no sentido em que a principal tendência da economia mundial no período de recuperação é marcada por uma política de contenção. Em vez de comprar uma camiseta chinesa, vocês vão pagar um pouco mais caro pela camiseta costurada na Rússia. Ou vão comprar a camiseta de uma empresa chinesa, mas produzida na Rússia. A política orçamentária e industrial do governo vai procurar estimular a produção local. Isso, na minha opinião, vai acontecer na Rússia, no Brasil e na China.

Vedomosti – Isso significa que precisamos atrair ativamente os investidores estrangeiros?
Troyjo – Certamente

Vedomosti – Em relação a isso, quais são os obstáculos para a Rússia?
Marcos Troyjo – Falta de confiança, de uma política industrial clara e coerente, de incentivos para as empresas estrangeiras abrirem sua produção na Rússia, a ausência de grandes projetos implementados pelo governo, nos quais empresas estrangeiras poderiam desempenhar um papel significativo, criando capacidade de produção. Outra coisa importante é a falta de transparência. Não é que regras não existam – elas só não são conhecidas ou são incompreensíveis. Eu gostei do discurso do Vladimir Putin no Fórum Rússia, onde ele anunciou planos para melhorar o clima de investimentos e de negócios. Pode-se gostar ou não do Putin, mas ele tem autoridade, poder e capital político. A Rússia possui um conjunto de medidas, um plano do que deve ser feito. Se unir o capital político com esse conjunto de medidas, a situação pode se transformar. Mas para alcançar isso, é imprescindível mais um elemento: vontade política. Sem esta, vai continuar tudo igual.

 

Fonte: Diário da Rússia

 

 

RELACIONADOS

Deixe um comentário

4 comments

  1. Regina Caldas

    No Brasil, a vontade política não resolve coisa alguma. Apenas faz parte dos discursos de alguns governantes…

  2. observador

    Muito bom este artigo, muito estimulante para um debate profundo pela nossa sociedade mau informada, mau orientada e muitas vezes tratada como subjetiva

  3. Josué

    Muito bom o comentário. Mostra que Marcos Troyjo entende bem as diversas facetas dos paises dos BRICS. Demonstra também que o Brasil não está lá só de passeio.

  4. Afonso Schroeder

    Jornalista Marcos Troyjo, simplesmente escreveu como acima das ideologias de cada País podem e devem estar os interesses de toda sociedade que cada Estadista representa, substimar a capacidade política-econômica e social do povo Rússo é excluir no minimo 10% da população mundial de seus negócios, senão vejamos existem naquela região cidades com desenvolvimento muito acentuádo onde as pessoas ao longo dos anos foram se aperfeiçoando e conquistando as tecnologias que incansavelmente todos os povos buscam por meios do lucro e em consequência o bem estar de seu povo.