RJ | Conferência Brasil e BRICs – A retomada do crescimento global

Dia 23 de outubro, terça-feira, a Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) será palco da conferência “Brasil e BRICs – A retomada do crescimento global”.

Realizado em parceria com a Columbia University, através do BRICLab (centro de estudos sobre Brasil, Rússia, Índia e China da universidade norte-americana), esse será o primeiro evento na cidade depois do lançamento oficial do Columbia Global Center Rio de Janeiro, ocorrido dia 20 de setembro em Nova York.

Para o presidente da ACRJ, Antenor Barros Leal, que participou da cerimônia de lançamento, receber uma filial do Global Center da Columbia é uma honra: “Essa é a vocação da nossa cidade. Se tornar um centro de conhecimento, de serviços e de estudos. A presença da Columbia aqui é excepcional”, disse.

O Global Center Rio da Columbia University funcionará na ACRJ e vai trabalhar em parceria com instituições de ensino brasileiras em pesquisas nas mais diversas áreas. Este será o primeiro Global Center no Brasil e o nono do mundo.

Conferencistas:

Antenor Barros Leal, presidente da ACRJ; Thomas Trebat, diretor do Columbia Global Center Rio de Janeiro; Christian Deseglise, co-diretor do BRICLab e diretor da HSBC Global Asset Management; Loy Pires, diretor no Brasil da International Finance Corporation (IFC) – Banco Mundial; Marcello Hallake, sócio-diretor da Jones Day e diretor da Brazil Foundation; Merval Pereira, colunista do “O Globo” e membro da Academia Brasileira de Letras; Marcílio Marques Moreira, ex-Ministro da Fazenda do Brasil; Joe Leahy, correspondente do Financial Times no Brasil e Marcos Troyjo, co-diretor da BRICLab e especialista do Instituto Millenium.

Data: 23 de outubro de 2012
Horário: 8h30 às 13h
Local: ACRJ – rua Candelária, nº 9, subsolo
As inscrições são gratuitas e devem ser solicitadas através do endereço eletrônico eventos@acrj.org.br.
Mais informações em (21) 2514-1206/1280.

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. ilva bonvin

    O Governo cria cotas raciais em órgãos de serviços públicos federais! E a competência não conta? Assim perpetuam a discriminação.
    Pretendendo que todos os brasileiros, que têm marcado no registro de nascimento “cor branca”, (portanto são pardos), são privilegiados e fazem parte da elite? Se a resposta é não. Então esta medida é um tremendo descaso para a maioria das famílias que, por causa de sua cor, agora são descartadas. Ilva Bonvin