Lançamento do livro “O Lulismo no poder”, de Merval Pereira

A realizar-se no dia 28 de setembro, terça-feira, às 18h30 na Academia Brasileira de Letras.

Endereço: Av. Presidente Wilson, 203 – Térreo – Castelo – Rio de Janeiro

RELACIONADOS

Deixe um comentário

9 comments

  1. RENATO

    Sua biografia Merval jamais será maior do que a do Lula.

  2. fabio

    Muito original, falar mal do Lula , lembra muito o cara que se mandou pra veneza,

  3. Teresa

    É com muito pesar (e ao mesmo tempo com um certo conforto) que digo que assisti e concordei em gênero, número e grau com os comentários de Merval sobre o governo Lula, quando da entrevista sobre o lançamento do seu livro O lulismo no poder. Pesar porque participei da criação do PT (tinha à época então dezoito anos, hoje 48), naquele momento uma iniciativa rechaçada por quase a maior parte da população brasileira (iniciativa de loucos, radicais, gente sem qualificação liderada por um torneiro mecânico sem dedo!). Por ter-me filiado ao PT tive que conviver por muitos anos com as ironias de familiares, amigos e colegas de estudo e logo de trabalho (é longa a linha do tempo da minha relação com o partido…). No trabalho (sou professora em uma universidade pública brasileira) eu recebi (até recentemente… agora já não mais depois do milagre econômico de lula nas universidade brasileiras) a alcunha de ‘terrorista do pt’. Por anos a fio eu ouvi este chiste!!! Nunca tive cargo no PT, fabriquei bandeiras, investi dinheiro, juventude e a vida da minha família no afã de concretizar este partido que, supus, seria capaz de contribuir para a reconstrução econômica, social, critica e moral do Brasil. E o que vejo e assisto hoje no contexto da educação superior é o que diz Merval Pereira quanto ao fato de que todos os setores e sindicatos foram contemplados financeiramente e por esta razão estão contentes e comprometidos. Nas universidades se instalou a mercantilização do ensino travestida de expansão universitária!!! Ah se a população pudesse ter noção das cifras investidas neste setor, e em como elas são de fato (não no papel e na teoria) investidas. A ‘inclusão’ tem de fato incluído a muitos que transitam no âmbito universitário em classes econômicas mais ‘altas’ (e neste momento sinto medo de expressar isto pq posso ser identificada e … viva a democracia!!!) . Decepção: os planejamentos são ‘pseudos’, as avaliações de resultados… por favor, e o exercício da critica..,. faz-me rir, diria meu avô. Com este histórico, e hoje uma dissidente perplexa me sinto só e decepcionada com o estágio acrítico a que chegamos.
    Ah, biografias, todas são importantes!!!!

  4. Betânia

    Estou abismada com a cegueira desse pais ou a corrupção generalizada, esta é a única justificativa para alguem defender o LULA e sua quadrilha.

  5. Betânia

    Estou abismada com a cegueira ou a corrupção generalizada que assola este país, estas devem ser as únicas justificativas para alguem em sã consciência defender o Lula e sua quadrilha. Não vejo a hora de poder ler este livro.

  6. Leonardo

    Estou ansioso para ler esta obra do mestre Merval Pereira, um dos mais brilhantes e responsáveis jornalistas da atualidade.
    Realmente choca ler que alguns ainda insistem em defender aqueles que usam a máquina estatal em proveito próprio a todo o tempo, distribuindo pequenas esmolas eleitoreiras aos menos favorecidos e perpetuando as anomalias tributária, política, previdenciária, entre outras que nos condenam a país periférico.

  7. Nerval tocou no ponto nevralgico da candidatura do PT
    Assim, ficaremos livres dos aloprados Zé Dirceu, palocci,
    genoino, delubio,silvio e muitos outros como erenice & cia.

  8. Nerval tocou no ponto nevralgico da campanha Dilma e assim, ficaremos livres dos aloprados, erenice&cia onde
    a candidata do pt, até hoje não viu nenhum ilicito de
    sua apaniguada.SERRA NELA!

  9. Gustavo

    Um colunista é apenas um comentarista dentro de seu ponto de vista pessoal e atécnico.
    Achismo nunca fez de ninguém graduado em Ciência Política, Economia, ou Direito, nem tampouco, Delegado de Polícia ou Juiz de Direito.
    Hoje para ser chamado de jornalista, não é mais necessário, sequer, ser graduado em (pasmem!) Jornalismo, graduação esta, tão brilhante e necessária quanto às anteriormente citadas.
    Se o Tiririca não pode (ser daquela Câmara), Merval Pereira também não ser desta.