As eleições presidenciais no Brasil de 1989 a 2006

Ao longo dos últimos 10 anos, o grupo de pesquisadores franco-brasileiros, formado por Cesar Romero Jacob, Dora Rodrigues Hees, Philippe Waniez e Violette Brustlein, vem se dedicando a recolher, investigar e analisar não só os números que refletem a vontade política do povo brasileiro, mas também os indicadores de desenvolvimento social e econômico do país.

“A geografia do voto nas eleições presidenciais do Brasil: 1989-2006” (PUC-Rio e Vozes) é fruto desta pesquisa, que analisa os padrões de comportamento eleitoral no Brasil, através do mapeamento dos resultados das últimas cinco eleições presidenciais (1989, 1994, 1998, 2002 e 2006).

Além dessas variáveis eleitorais, a obra traz indicadores demográficos e socioeconômicos, com a finalidade de explicar o comportamento dos eleitores nas diferentes regiões brasileiras, levando-se em conta a diferenciação geográfica da expressão eleitoral ligada a numerosos fatores, tais como os contrastes na ocupação do território, os níveis de desenvolvimento econômico e os desequilíbrios sociais.

Assim, com essa geografia eleitoral, os números que expressam os resultados eleitorais – e que costumam ser indicadores frios e sem alma – passam a ter endereço e a expressar nitidamente as tendências do eleitor, articuladas aos diferentes perfis socioeconômicos e culturais do Brasil.

Com esta série histórica, cientistas políticos, sociólogos, historiadores, jornalistas, geógrafos, antropólogos e profissionais da política têm em mãos uma importante ferramenta para entender melhor o que se passou nas últimas cinco eleições para a Presidência da República no Brasil e para analisar com mais clareza o momento presente e o futuro político do país.

RELACIONADOS

Deixe um comentário