Durante muito tempo, a China foi vista como um país isolado que tinha pouco contato com o resto do mundo. Recentemente, o quadro inverteu-se: o país não só é um grande produtor de mercadorias, mas também um grande consumidor. Neste livro, resultado de tese de doutorado premiada pela ANPOCS e vencedora do Grande Prêmio Capes de Tese Ruth Cardoso, a antropóloga e sinóloga Rosana Pinheiro-Machado explora o que está subjacente ao Made in China nos mercados populares mundo afora.

Em “Made in China” (Hucitec, 2011), vemos os chineses em sua diáspora no Paraguai, mas também vemos o Sistema de Cantão, província em que se situa o coração da estrutura produtiva do sistema mundial não hegemônico. Aprende-se sobre o papel histórico de Cantão enquanto mediadora centenária da China com o resto do mundo. Não por acaso a indústria de cópias lá se situa, não por acaso duas colônias europeias, Hong Kong e Macau, lá estiveram por séculos até o início do esquema de “um país, dois sistemas”. Tampouco é um acaso que lá se encontre a primeira zona econômica especial, o eufemismo chinês para zona de processamento para exportação, verdadeira mola propulsora da globalização chinesa. Rosana mostra os antecedentes históricos desta área de crescimento inusitado na China onde se localizam as fábricas de superlogomarcas globais e tam­bém de suas cópias, sistemas produtivos dependentes de uma inserção no mercado global que se faz tanto pela via hegemônica quanto pela via não hegemônica e que se sustenta, no mais das vezes, na superexploração do trabalho de migrantes.

Este livro é pioneiro por suas diferentes características: o tema, o enfoque, o tratamento dos dados, a criatividade e seu estilo claro e de fácil compreensão mesmo quando são analisados aspectos extremamente complexos.

RELACIONADOS

Deixe um comentário