Marcos Troyjo falou com a “Folha de S. Paulo” sobre os Brics : “Brasil é mais criativo do que inovador”

Um dos mentores do BRICLab, fórum criado na Universidade Columbia, nos Estados Unidos, para discutir a trajetória e o impacto dos Brics (Brasil, Rússia, Índia e China), Marcos Troyjo participou do seminário “Brazil Innovation: A Revolution for the 21st Century” (Inovação no Brasil: A Revolução para o Século 21). O evento foi promovido pelo “Economist Group”, responsável pela publicação britânica “The Economist”. Troyjo conversou com a “Folha de S. Paulo” antes de desembarcar no Rio, que sediou o encontro na última quinta-feira.

Folha de S. Paulo – A primeira turma acabou de completar o curso “The Rise of Brics” (a ascensão dos Brics), do BRICLab. Como foi?
Marcos Troyjo – O Bric é uma marca que chama muito a atenção, mas temos evitado tratar isso apenas como uma unidade coesa. Também analisamos esses países individualmente e comparamos uns com os outros.

Folha – Qual o panorama que você apresenta do Brasil?
Troyjo – Se é verdade que o país cresceu de uma maneira significativa nos últimos seis anos, também é verdade que está com o teto muito baixo para investimento em pesquisa, ocupa parcela pequena no comércio internacional e tem depositado um número reduzido de patentes na OMPI (Organização Mundial da Propriedade Intelectual). O Brasil é mais criativo do que inovador.

Folha – Essa não é uma característica comum aos Brics?
Troyjo – Eles foram capazes de se adaptar criativamente à economia global nos últimos 15, 20 anos, enquanto outros países não conseguiram. Os ciclos chineses e brasileiros são exemplos laboratoriais de como lidar com o que vem de fora. Os chineses construíram um modelo de nação comerciante, e os brasileiros, o que chamo de substituição de importações 2.0.

Folha – Como isso se dá?
Troyjo – Nosso modelo é ser um bom menino macroeconômico e manter uma taxa de juros relativamente apreciada, de modo que a economia seja uma bomba de sucção de liquidez financeira internacional. Para o capital que chega, fecha-se o país com barreiras comerciais elevadas para que as empresas tenham de montar suas operações aqui. Hoje, temos o que chamo de âncora do pré-sal. O crescimento brasileiro está atrelado à expectativa da comunidade internacional com o petróleo e os biocombustíveis.

Folha – Quais são os grandes desafios?
Troyjo – O Brasil tem dificuldade de identificar onde está o seu interesse nacional. As pessoas confundem ações como o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) com um projeto de prosperidade. Construir aeroportos e ferrovias não é o século 21. Isso é a virada do século 19 para o 20. Essas medidas são bem-vindas, mas o futuro é nanotecnologia, robótica, novos materiais, bioengenharia, biotecnologia.

Folha – Como alcançar esse futuro?
Troyjo – Chegar a 2025 com 2,5% do PIB (Produto Interno Bruto) investido em ciência e tecnologia, poupança interna de 28%, pelo menos 50% do dispêndio em inovação vindo do setor privado.

Folha – Acha que o Brasil pode não dar certo?
Troyjo – Há o risco da subperformance. Ainda que não tenhamos um plano estratégico, os bons exemplos estão se multiplicando -são as nanorevoluções nas indústrias de cosméticos, moda, design, combustível e petróleo.

Fonte: Folha de S. Paulo

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Kelly

    Nossa apredi muitas coisas q eu naum sabia
    Amei
    Amei
    Amei