Quinta-feira, 8 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

“Comunicação do Banco Central e expectativas de inflação”

Nas últimas duas décadas uma extensa literatura tem sido construída de forma a entender o papel da transparência da política monetária sobre as expectativas dos agentes privados. Em particular, a clareza do que os Bancos Centrais comunicam ao público é vista como uma das linhas de pesquisa mais promissoras e, ao mesmo tempo, desafiadoras dessa literatura. Desse modo, o objetivo principal do presente trabalho é servir como um primeiro passo para o entendimento da relação entre a clareza da comunicação dos Bancos Centrais e as expectativas de inflação dos agentes privados.

Para tanto, será feita a aplicação de índices de legibilidade às atas do Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central do Brasil, no período em que o mesmo implementou o regime de metas para inflação. Os resultados das estimações via OLS, TSLS e GMM sugerem que: (i) o Banco Central brasileiro aumenta a clareza de sua comunicação com o público quando as expectativas de inflação dos agentes privados se aceleram; (ii) aumentos da clareza da comunicação do Banco Central estão associados à menor dispersão das expectativas de inflação dos agentes privados; (iii) aumentos da clareza da comunicação do Banco Central tornam as expectativas de inflação dos agentes privados melhor ancoradas à meta para inflação. Resultados menos robustos, por seu turno, sugerem que o aumento da clareza reduz o vínculo entre expectativa e inflação passada.

Leia a dissertação completa do economista Vítor Wilher

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.