Em artigo publicado em 4 de fevereiro deste ano (“A marcha da insensatez” – parte I) tomei por empréstimo o
Continue lendo