Alexandre Magno, procurador do Banco Central, diz que a indiferença em relação ao dinheiro amplia a sensação de impunidade