Para João Luiz Mauad, os marxistas ainda apostam no caduco discurso de classes “hegemônicas” e “dominantes”