Um dos textos mais perturbadores que li não foi escrito por um dramaturgo, mas por A.R. Radcliffe-Brown, um importante antropólogo
Continue lendo