“Um dos mais belos livros da língua alemã, a obra mais singular jamais escrita por um filósofo”, registra Paulo César
Continue lendo