Se pudesse ficar cara a cara com Hugo Chávez, o banqueiro venezuelano Eligio Cedeño lhe faria uma pergunta: “Por que
Continue lendo