Esse é o diagnóstico do economista Paulo Rabello de Castro. Assista ao vídeo