Para Roberto da Matta, no Brasil, o foco do privilégio continua sendo o Estado”