"O insignificante ganha importância na campanha", afirma Roberto DaMatta