Pesquisadora britânica sugere que escolas façam avaliações mais abrangentes e que os alunos assumam o controle do próprio aprendizado