Há uma cena no novo filme de Michael Moore, “Capitalism: a love history”, em que o gorducho diretor e protagonista
Continue lendo