A gente não pode querer o padrão japonês, pelo qual o dirigente político ou empresarial se suicida quando é apanhado
Continue lendo