Para a Comissão, esse tipo de interpretação fragiliza o sistema federativo e a separação entre os Poderes