Consumo desenfreado compromete renda do brasileiro

O endividamento das famílias brasileiras atingiu seu maior nível, desde a primeira medição do índice, em 2005, no primeiro trimestre de 2013. Segundo o Banco Central, atualmente, as dívidas representam 43,99% da renda bruta anual dos brasileiros. Há oito anos, as estatísticas registravam um endividamento de 18,39%. Nesse mesmo período, o volume dos empréstimos no país passou de 28,1% para 54,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

Marcello Averbug

O comprometimento da renda familiar é um dos reflexos das políticas de concessão de crédito e de incentivo ao consumo. O economista e especialista do Instituto Millenium, Marcello Averbug, criticou a política econômica do atual governo. “O endividamento exagerado das famílias constitui um dos piores meios de promover crescimento econômico”.

Averbug acredita que a expansão da economia  deve se basear nos investimentos em setores estratégicos como o de infraestrutura, viabilizando o aumento da capacidade produtiva e a remuneração da mão de obra. “Assim as famílias alcançarão níveis de renda suficientes para depender menos do crédito para consumir”, explica.

O analista de crédito Marcos Vinicius de Aquino Mendes, responsável pela publicação do Boletim Macro do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getulio Vargas (FGV), diz que a elevação dos gastos deve ser analisada em partes. “O crédito habitacional, que tinha uma participação muito pequena na carteira de crédito dos bancos, tem crescido de maneira acelerada desde 2004. Esse tipo de financiamento é encarado muito mais como uma forma de investimento das famílias do que propriamente crédito destinado ao consumo. Tirando essa parcela, o endividamento cai para 30,48% da renda disponível nos últimos 12 meses”.

É importante ampliar o horizonte das famílias, fazendo com que estas aumentem a sua propensão a poupar

Além de gerar mais inadimplência, o endividamento também afeta o funcionamento da cadeia produtiva. Com o orçamento apertado, as pessoas tendem a consumir menos. Para compensar a queda da demanda os produtores tendem a ajustar suas ofertas para baixo. Diante desse cenário, Mendes prevê a limitação das vendas e a redução dos  investimentos.

Marcello Averbug cita a bolha imobiliária norte-americana como exemplo dos problemas criados pelas políticas de expansão do crédito. “A crise recessiva ocorrida nos Estados Unidos em 2008 deve-se, em grande parte, ao alastramento da inadimplência. Quando o volume de crédito atingiu, como agora no Brasil, uma proporção recorde do PIB transformando-se em frágil mola propulsora da atividade econômica, a cadeia produtiva engasgou”

A solução para o endividamento

O endividamento não é um problema de fácil solução. Marcos Mendes explica que o controle das dívidas depende de uma mudança de comportamento do consumidor brasileiro. “É preciso que a população entenda o custo do endividamento excessivo, dos altos juros cobrados em algumas modalidades, como cartão de crédito e cheque especial. Outra medida de vital importância é ampliar o horizonte das famílias, fazendo com que estas aumentem a sua propensão a poupar, que no Brasil é muito baixa.

Já Averbug afirma que o único caminho para evitar a estagnação ou recessão resultante do endividamento seria o do forte incremento da taxa nacional de investimento, mediante projetos relevantes ao desenvolvimento do país.

RELACIONADOS

Deixe um comentário

2 comments

  1. Joaquim

    O país está parado, o comercio local não tem mais gás para sustentar as despesas diárias dos funcionários e aluguéis.
    Crédito para compra de carro zero, levou a população a se endividar por um bem que ao final das prestações o coitado do trabalhador já pagou quase o dobro do valor inicial. O comprador fica com um bem que agora vale menos da metade ao término das prestações e se priva de fazer muita coisa para a sua família. Acorde povo!!!.

  2. Rodrigo

    Essa matéria foi sem duvida o mais fiel retrato da sociedade brasileira, o governo do pt reluta em fazer investimentos fortes a expansão da economia deve se basear nos investimentos em setores estratégicos como o de infraestrutura ; educacao, viabilizando o aumento da capacidade produtiva e a remuneração da mão de obra. como ele diz acima esse sim e o jeito de potencilaizar um crescimento real, só que isso tem efeito a medio e longo prazo, sendo assim nao seria material de campanha politica…por isso fica mais fácil ampliar o credito dai, a populacao sofre se atolando em dividas…oque eles ainda nao se deram conta e que quem podia ter credito ja esta atolado…essas eleicoes próximas serao bem divertidas… mas prestem bem atencao… vai rolar mentiras !