Crédito imobiliário reflete confusão da política econômica

O vice-presidente de Governo e Habitação da Caixa Econômica Federal anunciou, no último dia 29, que o banco pretende conceder R$ 126 bilhões em crédito imobiliário em 2013. O valor representa uma alta de 20%  a 25 % em relação ao último ano. Do total de R$ 36,1 bilhões em financiamentos fechados pela Caixa até o dia 20 de abril, 66% destinavam-se a compra de imóveis novos. Até aquela data, foram registrados 409 mil contratos de financiamento, um avanço de 39% em relação ao mesmo período do ano passado.

Nelson Barrizzelli

Consultado pelo Instituto Millenium, o economista Nelson Barrizzelli, explica que a demanda por imóveis, a supervalorização dos preços e a manutenção dos créditos são consequências da adoção de “remendos” e da falta de visão de longo prazo do atual governo. “Entre 7 de abril de 2011 e 25 de outubro de 2012, foram tomadas 14 medidas tópicas, sem nenhum efeito macroeconômico relevante. No primeiro momento, houve o aumento de 100% do IOF para as pessoas físicas, depois a prorrogação do fim do IPI para os automóveis”.

O economista explica que a elevação no preço dos imóveis foi uma consequência do crédito farto e dos juros baixos que resultaram em uma “corrida às compras desproporcional à oferta”. Barrizzelli lembra que, de acordo com lei da oferta e da procura, esse era o cenário esperado.

Ele explica que o desafio é tornar os imóveis mais atrativos para a população de baixa-renda que engrossam o déficit habitacional do país. “O Brasil tem um déficit habitacional estimado em cerca de 10 milhões de residências minimamente condignas”, alerta. Para ele, o governo precisa ajustar a demanda para a oferta existente.

Roberto Luis Troster

O professor de Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP), Roberto Luis Troster, observa que, assim como acontece em todo o mercado, o setor imobiliário cria expectativas artificialmente. No entanto, ele afirma que o problema consiste em medir a relação custo/beneficio da decisão. Segundo ele, é preciso testar outras alternativas além da concessão de crédito imobiliário.

Questionado sobre a relação da medida com os rumos da política econômica nacional, Troster disse que o governo tem uma postura expansionista.

As facilidades do Feirão da Casa Própria

Para alcançar a projeção anunciada, a Caixa está realizando desde o dia 3 de maio, a nona edição do Feirão da Casa Própria. A expectativa é que as negociações aumentem de 20% a 25% em relação a 2012. Naquele ano, foram movimentados R$12,2 bilhões. O evento passará em 13 cidades brasileiras. Nesta edição, 1.400 construtoras colocaram à venda cerca de 400 mil imóveis.

Para atrair compradores, os financiadores oferecem diversas facilidades. O pagamento da primeira parcela do financiamento deverá ser efetuado só em janeiro de 2014. As principais capitais do país receberam o evento.

Barrizzelli acredita que os feirões são uma tendência do mercado imobiliário. “Atualmente há um certo esgotamento da demanda em função dos preços elevados, razão pela qual esses preços tendem a cair. Os primeiros sinais são os feirões de imóveis que estão se espalhando pelo país”, conclui.

 

RELACIONADOS

Deixe um comentário

4 comments

  1. roberto r

    E dizem que não há “bolha” no Brasil.

  2. jose carlos henrique maria

    “Nunca antes neste País” se emprestou tanto para tanta gente sem condições de pagar como nestes dois últimos mandatos dos presidentes petistas. Uma coisa é certa, a CAIXA ECONôMICA FEDERAL vai quebrar mesmo que o Governo Federal injete nela muito dinheiro. ..nossa notável presidente, não vai conseguir salvar a Caixa. É triste.

  3. EMS

    Jamais se viu tamanha irresponsabilidade na concessão de crédito como na atual postura do governo, via bancos oficiais. Não há margem para quitação das parcelas nos orçamentos familiares atualmente. Pessoas extremamente endividades com o minha casa,minha vida e , certamente, com outras reciprocidades anexas aos contratos. O governo Petista, populista como nunca , injeta bilhões nos bancos públicos e , intrinsecamente , manda o recado: Dêem crédito , no sentido literal da palavra. Pessoas que , ao adquirirem uma casa, se iludem e já financiam também a área gourmet ( ou a área de churrasco ), uma pequena piscina e caem no pensamento petista de que todo mundo é rico. Nas primeiras prestações desse balaio de gato, o IPTU já está atrasado. Daí, como se não bastasse, vão lá na loja e compram o GIRA GRILL, aí fica a família inteira olhando a carne girar, e girar e girar…assim como as prestações no rotativo. Terrenos hoje valem fortunas e casas então nem se fala,Cuidado gente não somos ricos

  4. Edvaldo

    Infelizmente os PTralhas com seu DESgoverno inePTo e corruPTo vão quebrar a Caixa Econômica quando esses milhões de mal pagadores, endividados (quando se derem conta que foram enganados, devido o alto preço que pagaram em seus aPertamentos) não pagarão suas contas e a Caixa não vai conseguir tirar todo mundo e ai meus amigos, virá o apocalipse… A Caixa vai quebrar… aguardem e quem tem dinheiro na Caixa, corre e coloca em um banco privado, eu sugiro o Itaú.