Domingo, 4 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

“Personalismo aprofunda crises do presidencialismo”

Um relato histórico com foco no resgate da importância dos padrões administrativos e organizacionais do poder Executivo. Isso é o que leitor do livro “Presidentes fortes e presidência fraca: A expansão do poder executivo e a organização da presidência da república no Brasil (1930-1989)” (Appris, 2016), encontrará ao percorrer as páginas escritas pelo cientista político Valdemar F. de Araújo Filho.

Segundo Valdemar de Araújo, a estruturação do presidencialismo brasileiro foi baseada no pressuposto equivocado de que os presidentes podem redefinir o executivo a cada mudança de governo.“Vivemos um momento inaugural a cada novo governo, isso traz muitos prejuízos em termos de memoria técnica, de custos administrativos e operacionais”.

Para diminuir o personalismo , o cientista político propõe promover a profissionalização de uma burocracia permanente da presidência da república e a atribuir um papel institucional claro à presidência.

Ouça!

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.