A exposição “Imagens essenciais da liberdade – A lente de Alcir Silva” é uma pequena coletânea da obra do fotojornalista brasileiro radicado em Nova York.

Em passeio pelo cotidiano da grande cidade Alcir flagra o espontâneo da sociedade na fruição do espaço urbano. Retrata o sentimento de pertença que fotógrafo e personagens nutrem pela cidade.

Ao longo de mais de 30 anos de fotojornalismo, Alcir registra protagonistas no grande palco do diálogo global, a sede da ONU, em Nova Iorque. Ícones do movimento mundial pela liberdade são captados pela câmera de Alcir. Esta mostra traz Nelson Mandela, Kofi Annan e Gilberto Gil ponteando seu trabalho.

A seleção de imagens para a Casa da Liberdade revela um recorte de sua experiência em eternizar a instantaneidade da cena. Mais do que isso. O talento de Alcir Silva faz com que o caráter de narrativa, matéria-prima da tarefa de bem informar, seja enriquecido pela constante evocação do sentido estético. Verdadeira junção entre jornalismo e arte.

Sobre o fotógrafo
Alcir Navarro da Silva nasceu no Rio de Janeiro e mudou-se para Nova York no início dos anos 80. Estudou fotografia na famosa Parsons School of Design, um dos principais centros de Arte & Design do mundo.

Iniciou a carreira fotografando para capas de livros de editoras norte-americanas, mas logo passou a colaborar com veículos brasileiros como “Manchete”, “Isto é”, “Época”, “Bravo”, “Exame”, “Caras”, “Jornal do Brasil”, “O Globo”, “Estado de S. Paulo”, “Folha de S. Paulo”, etc. Atualmente, integra a equipe da revista “Veja”.

Sua experiência como correspondente internacional inclui reportagens em Israel, Cuba, França, Tailândia, México, Colômbia, Chile, Alemanha, Espanha, dentre outros países.

Em 2001, da janela do seu quarto, flagrou o ataque terrorista as Torres Gêmeas. Uma de suas fotos sobre o atentado ganhou destaque na imprensa internacional. No Brasil, foi capa da Revista Isto é.

O trabalho de Alcir está incluído na série de livros “Melhores Fotos do Ano”, publicada pela “Folha de S. de Paulo”, bem como no “Diário Contemporâneo de Fotografia”. Também compõe o acervo do Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo.

Deixe um comentário