Programas viáveis

O teólogo jesuíta Baltasar Gracián, que viveu na primeira metade do século XVII, nas suas reflexões acerca de como ter êxito na política, deixou cunhada uma lição importante: “Saiba como usar evasivas. É assim que as pessoas astutas se livram das dificuldades. Elas se desembaraçam do mais intrincado labirinto com o emprego espirituoso de uma observação inteligente. Elas se livram de uma séria controvérsia com um gracioso nada ou suscitando um sorriso. A maioria dos grandes líderes conhece a fundo esta arte”.

É evidente que no mundo real, na tentativa de conquistar votos para vencer uma disputa eleitoral, há que “seduzir” o eleitor e, portanto, não é preciso ser um luminar em Ciência Política para saber que ninguém será eleito presidente da República oferecendo apenas sacrifício e ajustes. As palavras famosas de Winston Churchill, de que podia oferecer apenas “sangue, suor e lágrimas” aos ingleses, só se explicam pelo contexto dramático da Segunda Guerra Mundial em que elas foram pronunciadas, sendo receita certa de fracasso eleitoral em qualquer democracia em épocas normais.

Veja também
Pré-candidatos buscam agenda anticrise para disputa presidencial do ano que vem
Gustavo Loyola: “Maior risco à economia brasileira é eleição de 2018”

Ao mesmo tempo, das minhas lições de vida acumuladas ao longo de pouco mais de cinco décadas e meia, guardo o seguinte ensinamento de um ex-ministro, que certa vez me disse o seguinte: “Nunca se deve subestimar a inteligência da população”. Isso significa que beiraria a tolice um candidato tentar se eleger presidente só falando no que se conhece como “agenda negativa”, mas a sociedade brasileira parece suficientemente madura para que o eleitor deixe de ser tratado como uma criança incapaz de entender o contexto no qual o governante terá que agir nos quatro anos posteriores a uma eleição.

Nos últimos processos eleitorais, tivemos uma espécie de certame de conto de fadas, com uma competição para ver qual candidato expunha a maior relação de bondades. Um exemplo disso foi a declaração de Aécio Neves em 2014 dizendo que, se fosse eleito, iria propor o fim do fator previdenciário, criado no governo do seu próprio partido, recomendação que dez entre dez especialistas sabiam que aumentaria o gasto público, em momentos em que um ajuste fiscal posterior às eleições daquele ano apresentava-se como uma imposição inexorável das circunstâncias.

Os resultados estão aí. A combinação de promessa de mais gastos com a recusa a encarar a sério a necessidade de rever antigas práticas que produzem maiores dispêndios levou a uma realidade retratada em alguns dados eloquentes: em 2002, no fim do governo FH, a despesa primária do governo federal — atualmente objeto do teto do gasto público — excetuadas as transferências a estados e municípios, correspondia a 16 % do PIB, percentual que aumentou para 17% do PIB em 2010, no fim do governo Lula e, depois de seis anos de gestão Dilma Rousseff-Michel Temer, em 2016, alcançou 20 % do PIB. É esse diferencial de piora fiscal primária — exceto juros — nesse período de 12 anos que está por trás do gigantesco déficit público do ano passado, de 9 % do PIB, quando tinha sido de 4% do PIB em 2002.

O Brasil terá que encarar em 2019 um dos anos mais importantes da sua história. Das escolhas que serão feitas e das decisões que serão tomadas ou proteladas dependerá, provavelmente, que tipo de país teremos na próxima década e em que ambiente nós e nossos filhos iremos viver.

Há muita coisa em jogo, e coisas importantes demais para serem decididas para que o destino do país dependa mais uma vez, essencialmente, da criatividade dos “marqueteiros”. Por isso, é importante que, independentemente do que os candidatos falarem na televisão — mesmo sabendo da perspectiva promissora de que, caso as decisões adequadas sejam tomadas, há chances de termos um bom quadriênio 2019/2022 — cada cidadão esteja consciente de que haverá medidas duras que precisarão ser adotadas em 2019, sob pena de que a situação econômica desande. E isso incluirá uma reforma das condições de aposentadoria, um controle rigoroso do gasto público e um espaço ínfimo para a prática do tipo de bondades que, historicamente, os governos gostam de praticar. É como se cada cidadão, antes de começar a temporada eleitoral de 2018, se encarregasse de transmitir aos candidatos o seguinte recado: “Queremos programas viáveis, por favor”.

Fonte: “O Globo”, 07/11/2017.

RELACIONADOS

Deixe um comentário